Comunica
Espírito Santo

A Fase 1 do monitoramento tem por objetivo avaliar possíveis impactos da atividade de perfuração de poços na qualidade do sedimento no entorno. Assim, são realizadas campanhas oceanográficas com a coleta de amostras de sedimento marinho para caracterização e monitoramento de diversos parâmetros ambientais, tais como concentração de nutrientes e contaminantes e avaliação dos indicadores ecológicos da fauna bentônica (que vive associada ao sedimento marinho).

Este monitoramento visa o atendimento ao Termo de Referência ELPN/IBAMA Nº 036/05 e está relacionado ao licenciamento ambiental da atividade de perfuração de poços da Área Geográfica do Espírito Santo.

A malha amostral de sedimento é composta de cinco círculos concêntricos para profundidade até 300 m ao redor do poço de interesse, com raios de 100m, 250m, 500m, 1.000m e 2.000m. E quatro círculos concêntricos para profundidade superior a 300 m ao redor do poço de interesse, com raios de 250m, 500m, 1.000m e 2.000m. Sobre cada círculo, estão posicionadas quatro estações de coleta dispostas ortogonalmente entre si. As estações encontram-se orientadas de maneira que um dos eixos esteja paralelo às linhas batimétricas, e o outro, ortogonal.

As amostras coletadas foram destinadas para análise dos seguintes parâmetros:

  • teor de matéria orgânica total (MOT)
  • carbono orgânico total (COT)
  • teor de carbonatos
  • granulometria
  • metais (Fe, Al, Ba, Cu, Cr, Pb, Cd, Zn, Ni, V, Hg e Mn)
  • hidrocarbonetos (HPAs, n-alcanos, MCNR e HTPs)
  • macrofauna bentônica

Foram monitorados quatro poços entre 2010 e 2013 na Área Geográfica do Espírito Santo (AGES) e cada poço contou com três campanhas, sendo uma prévia à atividade de perfuração e as outras duas posteriores.

Os relatórios do Monitoramento Ambiental da Atividade de Perfuração são documentos públicos e podem ser solicitados ao IBAMA.

Para acessar o projeto de Monitoramento Ambiental da Atividade de Perfuração, clique aqui.